terça-feira, 27 de novembro de 2012

Juventude Viva




Lançamento da Campanha Juventude Viva - Plano de Prevenção à Violência Contra a Juventude Negra
Visite o Site

Marcelo Igor


quarta-feira, 10 de outubro de 2012

One Day

Para nos inspirar na prática e no cultivo do bem viver!
 


Vídeo indicado por Wolney Fernandes

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Um caminho percorrido na Pastoral da Juventude


  
Olá, meu nome é Kamilla da Conceição Santos, tenho 24 anos e vim falar um pouco sobre minha experiência na Pastoral da Juventude. Comecei a frequentar, aos 14 anos, um grupo de jovens na paróquia na qual participava. Conversávamos e debatiam sobre assuntos polêmicos para jovens e adolescentes e sobre a Bíblia. Meu grupo de base era o Encontro de Jovens com Cristo (EJC), na Paróquia São José, na Diocese de Coxim/MS. 

Na paróquia, me divertia muito, pois, além de participar do grupo de jovem, nós saíamos juntos para lanchonetes, praças e para casa dos integrantes do grupo. Pela minha participação no grupo, fui eleita coordenadora. Era o ponto de referência na Pastoral da Juventude (PJ) na comunidade. Com o passar dos anos, os coordenadores dos grupos da paróquia, junto com o Padre, reconheceram a importância de um coordenador paroquial da PJ. Eu assumi esse compromisso. 

 Na coordenação paroquial da PJ, começamos a trabalhar mais em equipe e nossos trabalhos começaram a surtir mais efeitos com os jovens da nossa cidade. Além de evangelizar os jovens, os incentivávamos a praticar de esportes, realizando os Jogos da Fraternidade (Campeonato Esportivo para jovens), nas modalidades de Voleibol, Futsal, Basquetebol. Realizamos cursos bíblicos para os jovens de nossa diocese, com a participação do CEBI. 

A partir de minha participação na comunidade, fui convidada pelo Pe. Fábio Antunes, assessor da PJ na Diocese de Coxim, para fazer um curso sobre evangelização de jovens na Casa da Juventude (CAJU), em Goiânia. O curso foi maravilhoso, além disso, o contato com outros jovens e com realidades bem diferentes das quais tinha vivenciado. Com mais essa experiência, comecei a contribuir com a Coordenação Diocesana da PJ em Coxim. 

Participar na Pastoral da Juventude foi algo muito bom em minha vida, fiz excelentes amigos, renovei a minha fé, comecei a ver o mundo com outros olhos. Ajudou-me na faculdade, em estágios e entrevista de empregos. Sou apaixonada pela PJ e incentivo os jovens de hoje a participar. Como mudou a minha vida, pode mudar a vida muitos outros jovens. 

“Teu sol não se apagará, tua lua não terá minguante, porque o Senhor será tua luz. Ó povo que Deus conduz.”

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Violeta foi para o céu




Este é o trailer do filme “Violeta foi para o Céu” (Violeta se fue a los cielos), que conta a vida de Violeta Parra, compositora, cantora e artista plástica chilena que viveu de 1917 a 1967. É autora de conhecidas canções latino-americanas, como “Gracias a la Vida” e “Volver a los 17". É pioneira na chamada canção comprometida com a luta dos oprimidos. 

O filme expõe a relação de Violeta com a música, um elemento que acompanha e reflete os momentos vividos por ela. A partir do filme, confirma-se que forte emoção das letras é expressão de sentimentos próprios. O percurso de sua vida mostra, também, a luta incansável pela valorização da cultura e do folclore chilenos e seu engajamento político e social.

Texto: Marcelo Igor
Vídeo: Trailer oficial

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

A luta contra os medos



" A maior parte dos medos que sofremos, crianças e adultos, foi fabricada para nos roubar a curiosidade e para matar a vontade de querermos saber o que existe para além do horizonte”. 
Mia Couto

Este vídeo é uma das Conferências do Estoril (2011), na qual Mia Couto, escritor, professor, biólogo de Moçambique, reflete sobre o medo. Ele começa afirmando que o medo é um de nossos maiores mestres. “O sentimento que se criou é o seguinte: a realidade é perigosa, a natureza é traiçoeira e a humanidade é imprevisível”. Com isso, deixamos de fazer perguntas.

Ele nos provoca com algumas perguntas: Por que será a que a indústria de armas nunca está em crise?  Como criar em nós a consciência sobre a devastação silenciosa provocada pela fome no mundo que mata mais que qualquer guerra? Por estamos em tempos de guerra não precisamos de prova de coerência e de ética?

A reflexão de Mia Couto nos convida a refletir sobre a pessoa do/a educador/a para identificarmos os nossos medos construídos desde nossa infância, que nos impedem de sair dos espaços conhecidos e conhecer o contexto com novas perguntas para que a nossa ação, que está marcada pela intencionalidade de “outro mundo possível” com a juventude. Por isso, é preciso “murar o medo” para sair de nossas fronteiras.

Texto: Carmem Lucia Teixeira




segunda-feira, 6 de agosto de 2012

O compromisso de Vilmar de Castro


A memória de homens e mulheres, irmãos/ãs nossos/as, de nossa de nossa Pátria Grande, Latino-América, pessoas que deram sua vida e seu sangue, sendo testemunhas da Testemunha Fiel leva-nos a encontrar com tantas histórias no compromisso com o Bem Viver, na construção do ‘outro mundo possível’. 

Essas histórias são histórias de “gente simples, fazendo coisas pequenas em lugares pouco importantes”, mas são histórias de pessoas que, no cotidiano, assumiram a vida como causa e movidas nesse compromisso foram até as últimas consequências.

Uma dessas histórias é a de Vilmar José de Castro. Jovem de 26 anos assassinado em Caçu/GO, Diocese de Jataí. Vilmar viveu em tudo o compromisso com os pobres e abraçou radicalmente causa da terra para todos. No seguimento de Jesus, encarnou a opção pelos pobres, viveu em Comunidade, na Comunidade dos/as seguidores/s de Jesus, atuou muito pastoralmente, serviu crianças, jovens e adultos na catequese.

Contribuiu com a luta pela terra, atuando na Comissão Pastoral da Terra (CPT). Foi professor na escola rural e, para ser mais fiel ao seguimento de Jesus, estudou, numa leitura popular, a Palavra junto com o Centro de Estudos Bíblicos (CEBI-GO). Vilmar foi assassinado pelo latifúndio opressor de vidas e da terra, em 23 de outubro 1983, por testemunhar o Evangelho do Reino de Deus e a pessoa de Jesus Cristo militando na causa da terra e na defesa dos pobres.

Que a história de Vilmar, que se soma à história de tantas testemunhas fiéis, nos anime a seguirmos, com esperança, no compromisso radical com os pobres, na luta pela terra, no serviço ao/à outro/a, na construção do Reino de Deus, na luta pelo Bem-Viver e no testemunho coerente de Jesus Cristo.

Texto: Luís Duarte
Foto: Arquivo CAJU

segunda-feira, 30 de julho de 2012

Filme “Notícias de uma Guerra Particular”




Nesses dias, assisti ao filme “Notícias de uma Guerra Particular”. Fiquei impressionada pelo modo como o filme trata a questão da segurança a partir das estruturas econômicas e sociais. O documentário provoca um debate sobre a sociedade que temos e a necessidade de construir uma sociedade na qual os princípios do “Bem Viver” estejam marcados.

O que mais me impactou no filme foi a coragem das mulheres que vivem no morro. Os jovens são presos e a policia, em vez de levá-los para a delegacia, levam-nos  para cima do morro. As mulheres acompanham os policiais  e não os deixam sozinhos com os jovens. 

O filme parece fazer a articulação que Regina Novaes chama atenção em seus estudos sobre juventude: a relação entre drogas, armas e polícia, que estão conectadas neste sistema. Um sistema que está estruturado e no qual os pobres vivem “as mesmas condições do servo sofredor”, “povo crucificado”, como diz Ignacio Ellacuría (padre jesuíta assassinado em El Salvador). 

A ausência do cultivo do “Bem Viver” em uma sociedade exige reflexão crítica e posicionamento em favor da construção do Reino.
Texto: Carmem

Notícias de uma Guerra Particular (1999)
Direção: Kátia Lund / João Moreira Salles
Gênero: Documentário